Um Quê de Negritude

O grupo Um Quê de Negritude tem como objetivo divulgar a cultura afro-brasileira através da dança e promover reflexões sobre o racismo e o preconceito racial na atualidade. O Projeto iniciado no Colégio Estadual Atheneu Sergipense, está completando 13 anos de apresentações.

O grupo já ganhou o troféu do Encontro Cultural de Santo Amaro das Brotas (SE), como também outros prêmios e foi indicado para representar o Brasil em um encontro de Cultura Africana no Senegal. Fruto de uma ideia original da professora Clélia Ferreira Ramos, e fundamentado na obrigatoriedade do ensino de História da África nas escolas brasileiras, lastreado pelas leis N° 10.639/ 03, promulgada pelo governo federal e a de n° 5.497/04 do governo do Estado de Sergipe.

Idealizado e coordenado pela professora visa desenvolver junto ao aluno da rede estadual de ensino um mergulho na história da África, não só no campo teórico mais no campo prático, através das mais variadas interpretações da cultura africana. “Os alunos ficam envaidecidos retratando a cultura africana e indígena. Eles se identificam e a autoestima deles cresce. É muito bonito e gratificante vê-los aprender que as religiões afro e indígenas existem e que devem ser respeitadas.”

galeria